A Helicoverpa em soja

A Helicoverpa armigera é considerada uma praga polífaga, ou seja, ela se alimenta de várias culturas, portanto, são mais difíceis de serem controladas, já que é abundante a oferta de alimentos durante todo o ano. É por isso que a melhor forma de lidar com essa situação é pensando no manejo integrado de pragas de todo o sistema agrícola. A utilização inadequada de inseticidas sem observar outras táticas de manejo pode agravar ainda mais o problema.

Fique atento:

  • O mais importante é compreender que as táticas de manejo de pragas dos sistemas produtivos envolvem vários aspectos e um deles é o controle químico;
  • Tão importante quanto usar os inseticidas, é saber como usá-los e quando usá-los;
  • Conhecer o mecanismo de ação dos inseticidas, ou seja, como ele irá atuar sobre a praga, a seletividade dos produtos aos inimigos naturais;
  • Realizar a rotação de grupos de inseticidas para evitar o desenvolvimento de resistência.

O que não fazer:

  • Não aplicar inseticidas preventivamente;
  • Não aplicar inseticidas em baterias de aplicação ou em aplicações calendarizadas;
  • Evitar o uso de inseticidas não seletivos na lavoura (aqueles que matam todos os insetos, inclusive os insetos benéficos).

O que fazer:

  • Monitorar semanalmente sua lavoura com o pano-de-batida;
  • Aplicar inseticidas apenas quando a população de pragas atingir o nível de ação recomendado e usar apenas os inseticidas legalmente recomendados para controle da praga;
  • Preferir utilizar inseticidas seletivos como vírus, bactérias e os inseticidas “fisiológicos” antes de utilizar outra opção mais agressiva;
  • Rotacionar inseticidas com diferentes modos de ação a cada aplicação que for necessária para reduzir a seleção de insetos resistentes;
  • Aplicar inseticidas utilizando uma boa tecnologia de aplicação (boas condições climáticas, pressão, volume, bico adequados etc).